Tema: Sinceridade

É preciso correr o risco de amar. 30 ideias para rezar com as palavras do Papa na JMJ.

"É preciso correr o risco de amar." Disse-o o Papa Francisco em Lisboa perante uma multidão de jovens sedentos de sentido e cheios de generosidade.
Disse-o a ti.
Para que estes dias não sejam apenas uma boa recordação, sugerimos 30 ideias para rezar com as palavras do Papa, e umas perguntas para te ajudar a tomar decisões.
Antes de regressar a Roma, o Santo Padre deixou-nos um desafio: "Partis daqui com o que Deus semeou no coração: fazei-o crescer, guardai-o com diligência (Angelus, 6 agosto)".
Começa tu a cuidar dessa semente, e o fruto da jornada espalhar-se-á à tua volta. E Cristo reinará no coração de todos.

Descarregar PDF

Às vezes não porque estás distraído. Ou porque queres ser discreto. Mas deves responder de modo que se ouça, que se note que afirmas o que crês, para quem está à tua volta e com eles.

E como não estás sozinho, tenta responder ao ritmo dos outros, uníssono, reforçando o sentido de pertença a essa comunidade.

Também não é preciso gritar! Por berrares as orações ao teu ritmo não pareces mais piedoso: pareces surdo!

A formosura atrai e vocês fazem um belo par!

Mas tens de abandonar o ar sobranceiro de quem passeia na rua uma peça de caça. E deixar de pensar que só tem sucesso quem conquista o melhor do catálogo.

Queres construir uma família. Começas mal se não consegues ver a beleza escondida. A que o amor descobre, cuida e guarda, para que ninguém roube.

Também quando o trabalho é entusiasmante, também quando há uma oportunidade de ganhar muito dinheiro, também quando há pessoas pendentes de ti.

Também quando há muito que fazer em casa, também quando há tensão ou tédio em família, também quando a doença invade a tranquilidade.

Também quando o trabalho é a desculpa ideal para fugires do compromisso. Recomeça.

Dizes que sim a tudo. Tens boa vontade mas também gostas de aparecer, de ser visto.

E por isso não consegues estar em coisa nenhuma com atenção, com profundidade, inteiro. Tens o coração dividido, sem tempo para cada pedaço.

E para cada pessoa. Queres que todos contem contigo, prometes o que não podes dar e falhas no que prometeste.

Larga coisas para garantir que estás inteiro, primeiro, no que deves. O resto, agora, vai ter de esperar. Explicando, perceberão.

Vão é deixar de louvar a tua generosidade e capacidade de fazer tantas coisas. Aceitas ou era o que te movia?

Quando ninguém vê, quanto pensas em ti? E nos outros? Quanto te vês ao espelho? Quão modesto és? Quanto tempo perdes a ver futilidades que te envergonham? Quanto perdes a formar-te? Quanto cedes à sensualidade? Quanto rezas?

Esperas pelas ocasiões em que podes dar espaço ao pior de ti? Como um alívio dos momentos em que representas para os que estão à tua volta?

O Deus que amas olha-te em todos os momentos. E espera de ti que queiras ser sempre o mesmo, porque vives sempre para Ele.

Santos casamenteiros,

Atendei a minha prece.

Para mim, um bom partido

É como vós e assim parece.

Concedei-me a vossa paz,

Que não a inquietação:

Mais vale esperar um pouco

Do que ceder à pressão.

E dai-me aquela coragem

Que não me faça corar

Quando, além de pedir,

Me decidir a procurar!

Como todos, tens talentos e defeitos. Mas, com alguma ingenuidade, preferias ter os dos outros. Dás pouco valor àquilo em que és bom e gostavas de ser forte naquilo em que és fraco. Mas não és.

Por isso, mais vale conheceres-te e deixares de ir ter com as situações perigosas em que sabes que vais cair, em que a vontade fraqueja e o coração vacila.

É melhor ir a outro sítio, com outra companhia, outra conversa, outras circunstâncias, outro momento... Se resistem todos, também podes resistir? Talvez um dia.

Mas hoje, que conheces as tuas fraquezas e sabes que é a vaidade a sugerir-te comparações, escolhe ser prudente.

Noite. Sais, divertes-te, bebes um copinho, dois, dez... apanhas uma bebedeira. Pegas no carro, rumo a casa: – E se apanho polícia? Huf! Desta safaste-te.

Outra noite. Sais, divertes-te, bebes um copinho, dois, dez... apanhas uma bebedeira. Pegas no carro, rumo a casa: – E se apanho polícia? E apanhas mesmo! Que azar! Lá vai a carteira. A consciência pesa: nunca mais o repetes.

Moral da história: tem em atenção as consequências dos teus atos.

Tem. Mas essa não é a moral cristã! O problema não é ser apanhado ou visto, pagar uma multa ou ir preso. É o que escolheste fazer de errado, mesmo que não cheguem as consequências.

É difícil perdoar. Custa largar a dor a que nos prendemos para encontrar consolo.

E mais difícil ainda reconhecer a necessidade de perdão. Admitir a própria fraqueza –ou maldade! Aceitar que não temos razão, que mentimos, que humilhamos, que usamos, que temos uma intenção retorcida.

Somos prudentes a esconder erros e astutos a procurar razões. Interessa-nos ocultar as faltas. Já pensaremos na culpa...

Mau caminho o que escolhe o orgulho em vez da esperança.

Disponível, atento e pessoa de palavra. Se te metes num projecto é para te envolveres, se aceitas um convite, não faltas, se te comprometes, entregas.

Desaparecer quando surge algo mais agradável é ser desleal. Dar o dito por não dito é ser mentiroso. Desmarcar-se por não ter protagonismo é ser interesseiro. E tu queres ser o contrário: leal, verdadeiro e atento aos outros.

Podias ter dito que não, mas comprometeste-te. É semanal e dá trabalho? Vai todas as semanas e trabalha. Se havia planos melhores, entregaste-os.

E assemelhas-te a Deus, que é fiel.

Não dá para discutir contigo, não ouves, não queres saber. Queres ganhar.

Metes as pessoas em caixas e não trocas dois argumentos sem humilhar ou inventar.

Sentes-te insultado por mim sem nunca me teres ouvido ou perguntado o que penso. Nem porquê. Para ti, estou na prateleira dos mentecaptos, dos influenciáveis e dos ingénuos. Os que deves educar.

Tens garra. Mas não tens noção. De censura!

Quero, pelo menos, querer.

Não ligues a estas pequenas rebeldias, este tom desafiante de quem ameaça rejeitar o que ofereces.

São birras! Não me abandones.

O lixo que acumulas porque alguém deve limpar, tudo o que gastas porque alguém há de pagar, o café que não tiras porque to levam à secretária.

E as aldrabices que inventas para parecer que fizeste, o trabalho que roubas para fingir que é teu, as ideias que escondes para ganhares só tu. E o tempo que ocupas com os teus vídeos, as tuas compras e os teus jogos.

Não encontras Deus no trabalho se não és verdadeiro e honesto. E só levas alguém até Ele se és simpático e disponível, se facilitas o seu trabalho, se ajudas, se te adiantas no que podes.

O trabalho é um serviço. Já percebi que queres ser servido. Para ganhar o quê?!

Assim começam muitas amizades, quando encontras alguém que tem os mesmos interesses.

Por isso, não tenhas medo de partilhar os teus gostos e opiniões, por muito raros e exclusivos que sejam. Há sempre alguém com mesma pancada!

Se és vago e sério para agradar a todos ou parecer interessante, ninguém te conhece!

Não? É só um equilíbrio entre tensão e prazer?

Podes largar.

Sim? Na diligência com que procuras agradar, na paciência com que escutas, na serenidade com que te relacionas, no tempo que dás aos outros, na paz que tens com Deus, na pureza das intenções, na lealdade delicada, na responsabilidade, na sinceridade, na alegria?

Cuida-o bem.

Posts mais antigos